Quarta, 27 Novembro 2013 18:16

Cadastro Positivo: consumidor pode restringir acesso a dados

Com a criação do denominado Cadatro Positivo do Consumidor, o consumidor passou a contar com uma ferramenta muito interessante e que lhe permite maiores vantagens financeiras e facilidades quando da contratação de financiamentos e serviços, uma vez que referido cadastro tem por objetivo conferir maior segurança e demonstração de menor risco que o consumidor cadastrado positivamente representa aos agentes financeiros e de serviços.

No entanto, questão que preocupa muito o consumidor se refere a sigilosidade e segurança dos dados que este deve disponibilizar no ato de inscrição ao sistema.

Segundo Renan Ferraciolli, assessor chefe do Procon-SP, “o consumidor precisa ter cuidado e entender se é interessante ou não para ele aderir, pois é uma cessão das suas informações e do seu comportamento no mercado com as decisões do dia a dia. É preciso ler atentamente as informações e verificar a idoneidade das empresas gestoras”.

No ato de inscrição ao Cadastro, o consumidor escolhe qual dos birôs de crédito habilitados pela legislação vai gerir suas informações, podendo escolher compartilhá-las com outra empresa gestora ou não. Também é possível nomear e vetar empresas específicas de terem acesso aos dados, que ficarão disponíveis por 15 anos (Informações – Estadão).

*** Portanto, o consumidor que tiver interesse em fazer o seu Cadastro Positivo deve estar atento para estes aspectos, pois as informações (dados) a serem fornecidos no `site` do Serasa serão disponibilizados de modo perene, ou seja, ficarão à disposição dos agentes autorizados a terem acesso a eles por 15 anos.

www.odiario.com

  1. Mais lidas
  2. Mais recentes