Atenção
  • JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 42

Relatório divulgado pelo Google nesta terça-feira (13) revela que cresceu 450% o número de conteúdos removidos das plataformas da empresa, sob ordem da Justiça brasileira.
Os dados comparam o primeiro semestre deste ano com o último período de 2011. Dessa forma, o país fica em terceiro lugar na lista de nações que mais registram ações para remoção de conteúdos de serviços do Google, segundo o Transparency Report.
Entre janeiro e junho deste ano, a Justiça ordenou a remoção de 2.220 conteúdos presentes em serviços como Orkut e YouTube – entre julho e dezembro de 2011, foram 397, e no primeiro semestre daquele ano, 445. Dos 2.220 itens, 70% foram de fato excluídos. Segundo a companhia, os números não incluem casos ligados a pedofilia.
Ranking

Em primeiro lugar da lista aparecem os Estados Unidos, onde 3.613 conteúdos foram alvo de ações judiciais – somente uma delas ordenou a retirada de 1.700. Logo atrás, vem a Grã-Bretanha, com 2.989.

No Brasil, segundo o Google, a maior parte das ordens de remoção trata de conteúdos publicados por usuários em redes sociais. “Recebemos um mandado para remover 860 perfis do Orkut por falsificação de identidade. Removemos 834 dos perfis, que se enquadravam no âmbito da ordem”, descreve o relatório da companhia.
O Brasil também figura na terceira colocação na lista de solicitação de informações de usuários pela Justiça. No primeiro semestre deste ano, a empresa registrou 1.566 pedidos, relativos a 2.640 contas, queda de 4% em relação ao segundo semestre de 2011, com 1.615 solicitações. Os Estados Unidos seguem na liderança, seguidos pela Índia.
Criada em setembro de 2010, o Transparency Report reúne informações sobre países onde os produtos do Google são bloqueados, além de fornecer a lista dos governos que exigem remoção de conteúdo de sites da empresa.

Fonte: Revista Veja

Número de itens cresce quase 450% no primeiro semestre do ano. País aparece em terceiro lugar na lista, atrás de EUA e Grã-Bretanha

Relatório divulgado pelo Google nesta terça-feira revela que o número de conteúdos cuja remoção das plataformas da empresa foi ordenada pela Justiça brasileira cresceu quase 450%. Os dados comparam o primeiro semestre deste ano com o último período de 2011. Dessa forma, o país fica em terceiro lugar na lista de nações que mais registram ações para remoção de conteúdos de serviços do Google, segundo o Transparency Report.

Entre janeiro e junho deste ano, a Justiça ordenou a remoção de 2.220 conteúdos presentes em serviços como Orkut e YouTube – entre julho e dezembro de 2011, foram 397, e no primeiro semestre daquele ano, 445. Dos 2.220 itens, 70% foram de fato excluídos. Segundo a companhia, os números não incluem casos ligados a pedofilia.

Em primeiro lugar da lista aparecem os Estados Unidos, onde 3.613 conteúdos foram alvo de ações judiciais – somente uma delas ordenou a retirada de 1.700. Logo atrás, vem a Grã-Bretanha, com 2.989.

No Brasil, segundo o Google, a maior parte das ordens de remoção trata de conteúdos publicados por usuários em redes sociais. "Recebemos um mandado para remover 860 perfis do Orkut por falsificação de identidade. Removemos 834 dos perfis, que se enquadravam no âmbito da ordem", descreve o relatório da companhia.

O Brasil também figura na terceira colocação na lista de solicitação de informações de usuários pela Justiça. No primeiro semestre deste ano, a empresa registrou 1.566 pedidos, relativos a 2.640 contas, queda de 4% em relação ao segundo semestre de 2011, com 1.615 solicitações. Os Estados Unidos seguem na liderança, seguidos pela Índia.

Criada em setembro de 2010, o Transparency Report reúne informações sobre países onde os produtos do Google são bloqueados, além de fornecer a lista dos governos que exigem remoção de conteúdo de sites da empresa.

http://veja.abril.com.br/noticia/vida-digital/justica-ordena-remocao-de-mais-conteudos-de-servicos-do-google

Um júri federal do Texas, nos Estados Unidos, decidiu ontem, 6, que a Apple deve pagar US$ 368 milhões à VirnetX por ter violado suas patentes.

Segundo o AllThingsD, a VirnetX também reclamou da empresa da maçã à Comissão Internacional de Comércio dos EUA, alegando que o iPhone, o iPad e o Mac são frutos de patentes violadas.

A companhia tem casos pendentes contra Cisco, Avaya e Siemens que devem ser resolvidos em março de 2013. E a VirnetX já venceu uma disputa contra a Microsoft, condenada porque várias versões do Windows violaram patentes.

http://olhardigital.uol.com.br/negocios/digital_news/noticias/apple-e-condenada-a-pagar-us-368-milhoes-por-violacao-de-patentes

InícioAnt12PróximoFim
Página 2 de 2

  1. Mais lidas
  2. Mais recentes